abre popup

Raça Bonsmara

A origem da raça Bonsmara

A origem da raça Bonsmara

Em 1937, o Governo da África do Sul reconheceu que as raças de gado de corte europeias não conseguiam sobreviver em condições satisfatórias no clima tropical/subtropical daquele país. Além disso, a principal raça nativa, Afrikaner, apesar de resistente ao calor e da boa carne, tinha baixa produtividade. O governo sul-africano lançou o desafio ao então jovem zootecnista Jan Bonsma: criar uma raça de gado de corte que fosse resistente às condições do clima tropical e, ao mesmo tempo, com alta produtividade. Esse desafio deu início a uma série de cruzamentos do Afrikaner com várias raças europeias. Os animais resultantes desses cruzamentos foram extensivamente avaliados para que tivessem resistência ao calor (foi avaliada, por exemplo, a frequência respiratória e cardíaca, o comprimento e espessura do pelo, a capacidade de andar longas distâncias, a quantidade de glândulas sudoríparas etc.). Todo esse processo de medições e avaliações resultou em um animal 5/8 Afrikaner (Sanga), 3/16 Hereford e 3/16 Shorthorn (Taurinos Britânicos), que tinha excelente “eficiência funcional”. Nenhum defeito que afetasse a performance e a reprodução dos animais era permitido. Muitas vezes 100% dos machos de alguns cruzamentos eram descartados por terem algum problema na sua eficiência funcional. É a única raça de gado de corte produzida pela ciência, cuja base é fertilidade, musculatura, adaptação, docilidade e excelente qualidade de carne.

O nome da raça surgiu em homenagem ao Professor Bonsma e à Estação Experimental de Mara: Bonsmara. Em 1963 foi criada a Associação Sul-africana de Criadores de Bonsmara.

Atualmente, 8 milhões de cabeças de gado de corte da África do Sul têm influência da raça Bonsmara, o que representa 60% do rebanho do país.